Como os direitos que existem surgiram? De outra forma: os direitos que você goza vieram de onde? Direitos são conquistas e não presentes. A tradição política brasileira, muito bem trabalhado por autores importantes como Florestan Fernandes e José Murilo de Carvalho (nas obras Revolução Burguesa no Brasil e Cidadania no Brasil, respectivamente), é marcada pelo clientelismo e paternalismo, situações em que o Estado se coloca como o grande Pai a afagar e castigar seus filhos – os “cidadãos”, como a mesma mão. Assim, os direitos pareceram sempre caídos do céu e/ou dados por um estadista que é “bom para o povo”.

Imagem

Direitos das domésticos: luta sempre!

Direitos das domésticos: luta sempre!O fato é que os direitos, particularmente os sociais, são resultantes de luta, mesmo quando parecer que o Estado está simplesmente provendo. A questão é que além de termos essa nefasta visão do jogo dos direitos, é comum levantarmos “pseudos-problemas” em relação a determinadas vitórias quando são das classes menos favorecidas. É o caso dos direitos dos domésticos que tiveram sua profissão recém-regulada.

Como a relação entre patrões e empregados passa a ser regulada e não mais está a mercê da boa vontade dos “bons patrões” que se acham “bons cristãos” porque até sabonete dove dão para seus empregados, embora os façam levantar de madrugada para fazer um chazinho para curar a insônia, surge o discurso de que os domésticos irão se arrepender de mexer no “ciclo natural das coisas”.

Imagem

Capa do filme Bee Movie

De repente, todo mundo passa a ter uma alteridade exacerbada, uma preocupação enorme com esses “coitados” que, “Senhor, não sabem o que fazem!”. Lembro-me de uma cena do filme Bee Movie em que uma abelha ao perceber que trabalha excessivamente porque os humanos se apropriam do seu mel, resolve processar a humanidade. Tendo ganho o processo, o resultado mostrado no filme é o caos e em dado momento um personagem diz: “você se arrependerá de tentar modificar o equilíbrio natural das coisas”.

Assim, pinta-se  o novo cenário para os domésticos após terem sua profissão regulamentada: “muitos perderão o emprego!”, dizem. Não nego acreditar que isso pode ocorrer, mas tenho certeza que isso é parte de um novo formato de uma relação historicamente marcada por elementos mantidos da escravidão. Ajustes deverão ocorrer, mas os domésticos devem ter a certeza de que a luta não terminou, mas sim teve apenas um importantíssimo capítulo encerrado e que agora a luta se modifica. “Direitos conquistados”, agora é hora de transformar a lei em prática, modificando as macro e micros práticas cotidianas em torno dessa profissão.

Esse comentário me veio a mente ao ler o excelente artigo de um articulista do yahoo que gosto muito, Walter Hupsel, disponível neste link: http://br.noticias.yahoo.com/blogs/on-the-rocks/maria-traga-um-copo-d-%C3%A1gua-230747291.html.

Fiquemos atento, afinal a luta, SEMPRE, continua!

Anúncios